Romeo Pires

DSC01054

DSC01052

DSC01050

DSC01047

Advertisements

A volta da Clements Ribeiro na Jungle


Depois de 3 três anos longe das passarelas, duo anglo-brasileiro retorna à LFW

texto: Mariana Grebler

A indústria da moda está ansiosa com a volta da dupla de estilistas da Clements Ribeiro à próxima edição da London Fashion Week, de 24 a 27 de setembro de 2009, após três anos sem desfilar.

Inácio Ribeiro e Suzanne Clements estão juntos desde que se conheceram na Central Saint Martins e têm dois filhos. Reverenciados tanto no Brasil quanto na Inglaterra, a dupla tem um estilo discreto, cool e cheio de elegância – a exata definição do que se vê em seus designs. Por não apenas reproduzirem tendências, suas criações são atemporais. A nova coleção foi desenvolvida através de um trabalho inovador feito à mão, utilizando estampas gráficas e tricô. “Acreditamos que há uma demanda imensa por produtos feitos à mão com alta qualidade, e ao mesma tempo, únicos”, diz Inácio.

No período em que ficaram afastados dos holofotes (“estávamos entendiados com o formato tradicional de desfiles”, revela o brasileiro), a marca trabalhou em projetos de edições limitadas. A nova coleção sai quentinha do forno impulsionada pelas criações passadas. E a volta às passarelas? “Nosso desfile será em um novo espaço dentro da semana de moda, com salas menores criando um ambiente íntimo do jeito que queremos apresentar nossa coleção”, completa o estilista.

Away we go

Eu não gostei do último trabalho do diretor Sam Mendes, Revolutionary Road. Agora, em Away We Go a impressão que fica é a de um diretor que sabe contar uma história, como fez em American Beauty, seu longa de estréia. O filme conta a história de uma casal a beira de ter um bebê – um tema universal. Vai agradar uma grande audiência pois não há quem não se identifique com as ansiedades de se ter um primeiro filho. Viajando pela América do Norte a procura da cidade ideal para começar uma família, Mendes apresenta famílias de diferentes perfis e como se relacionam. A crítica a sociedade americana, como ele tanto gosta de fazer, se mostra em seus hotéis, motéis, bufês, aeroportos; tudo por ali é plastificado, enlatado, encarpetado e emburrecido. Os americanos são uns coitados, por isso o medo de se criar uma criança por ali (coincidência ou não o local onde o casal mas se sente a vontade é em Montreal). E isso, Mendes mostra bem.

Fish Tank

Filme realista sobre uma menina de 15 anos e tudo que envolve se ter esta idade numa classe média baixa no interior da Inglaterra. Muito se comentou sobre a protagonista em seu primeiro papel – a menina, Katie Jarvis, foi “descoberta” enquanto discutia com o namorado numa estação de metro. Achei que ela deu conta do recado sim, mas poder ser sorte de iniciante. O filme ganhou o prêmio do juri em Cannes 2009. Sinceramente, não consegui me concentrar muito bem abalada pela beleza de Michael Fassbinder. Desde que o vi em Hunger (2008) – vencedor do Palma de Ouro em Cannes 2008, eu já sabia que, mesmo interpretando um presidiário em greve de fome pela causa da libertação da Irlanda do Norte, o cara era maravilhoso. Que homem bonito. Lindo. Me perdi mas não deixei de me lembrar de como as coisas realmente não fazem sentido quando se tem 15 anos, e isso o filme mostra bem.